EAT e SEO: como criar conteúdos que o Google quer

Tempo de leitura: 3 minutos

Você sabe o que é o acrônimo EAT e o que tem a ver com a produção de conteúdo? Bem, é uma fórmula que age como diretriz de ranqueamento de páginas no Google.

E sim, além de ser preciso criar um conteúdo otimizado para que os motores de busca o encontrem, também é preciso criar um conteúdo de qualidade para entregar o melhor resultado ou resposta ao usuário.

Assim, o principal objetivo é evitar conteúdos ruins, duvidosos ou de baixa qualidade e promover uma melhor experiência ao usuário que busca por informações e conteúdos de seu interesse.

O acrônimo EAT: o que significa?

EAT significa:

E – expertise, ou seja, especialidade

A – authoritativeness, ou autoridade

T – trustworthiness = confiabilidade

Dá para perceber claramente do que se trata, não é mesmo?

Os conteúdos passados aos usuários devem ser desenvolvidos por pessoas que entendem sobre o tema – não ser conteúdo raso ou sem sentido, por exemplo; devem ter autoridade, que significa domínio sobre o assunto e respostas positivas sobre ele; e confiabilidade, ou seja, segurança e conteúdo bem escrito, de acordo com a norma padrão da língua.

Um ponto que é importante citar aqui e sobre o qual talvez você esteja se perguntando, é sobre a inteligência por trás da análise da qualidade dos conteúdos.

O que muita gente não sabe é que há pessoas de verdade trabalhando para o Google na avaliação e qualidade das páginas bem posicionadas. Dessa forma, quem realmente aposta em um conteúdo bem criado, só tem a ganhar e garantir sua posição.

A seguir entenda o que cada envolve cada conceito do EAT do Google.

E.A.T na prática

Expertise (especialidade)

A palavra expertise já nos dá uma noção de a que se relaciona, uma vez que já faz parte do vocabulário corporativo. Nada mais é do que conhecimento aprofundado sobre algo.

O Google determina o nível de expertise considerando o conteúdo sob os seguintes aspectos: conteúdo principal e conteúdo adicional.

O primeiro diz respeito a um texto escrito de forma clara e objetiva, de bom tamanho (nada de textos curtinhos de 200/300 palavras) e que ofereça uma informação de qualidade. Já o segundo faz referência a conteúdos extras, como links internos, que direcionam o leitor a outros artigos do blog que tenham relação com o tema desenvolvido. 

Authoritativeness (autoridade)

Nós que trabalhamos com marketing digital já temos familiaridade com a autoridade de um domínio. Ela está fortemente ligada a estratégias de SEO e link building. No entanto, há mais coisas que podem garantir a autoridade de um site/negócio: ser referência.

Ser apontado em matérias jornalísticas ou em portais de conteúdo são exemplos disso. Isso, na verdade, demonstra a sua expertise.

Trustworthiness (confiabilidade)

A internet, sob certo aspecto, parece ser “terra de ninguém”. Explicando melhor: há quem se preocupe em transmitir boas práticas e conteúdo realmente interessante de valor. Por outro lado, há quem não se importe em oferecer qualidade e confiabilidade. E isso acaba prejudicando quem faz um bom trabalho.

Por isso, este último item é extremamente importante. É por meio dele que o Google verifica o nível de segurança e aspectos como páginas com links quebrados, designs não responsivos, erros gramaticais e ortográficos, diagramação ruim do site, dentre outros.

Isso significa que se o site/blog de um negócio tem problemas do tipo, pode esquecer que irá para a primeira página.

Deu para entender o que é EAT e como junto com SEO é fundamental para posicionar seu negócio na internet?

Tem alguma dúvida? Pode usar o espaço dos comentários para falar conosco.

Caso queira, pode falar com alguém de nossa equipe e obter alguns insights para o seu negócio.

Continue acompanhando nossos conteúdos. Nos vemos no próximo post!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *